O Museu

De portas abertas ao público desde 22 de junho de 2010, o Museu das Minas e do Metal se consolidou como uma instituição reconhecida na cultura do país. Cerca de 1 milhão 325 mil pessoas visitaram o museu neste período, com acesso gratuito a informações acessíveis sobre os patrimônios cultural e geológico de Minas Gerais e do Brasil e, certamente, para muito mais além disso.

Mais de 240 mil pessoas participaram de ações culturais oferecidas pelo museu em diferentes eixos, tais como música, literatura e poesia, terceira idade, cultura e arte negra, inovação e empreendedorismo, sustentabilidade, ciência e tecnologia, crianças, vínculo com a cidade e bem-estar. Outras 210 mil pessoas foram atendidas em ações educativas do museu, participando de visitas mediadas, oficinas, contação de histórias, dinâmicas, encenações, além de diversas exposições temporárias. Foram cerca de 1.145 atividades culturais oferecidas ao público nestes onze anos de funcionamento, uma média de 104 ações ao ano e 9 atividades mensais.

As ações que o Museu oferece são realizadas em um edifício histórico de 1897, o conhecido Prédio Rosa, palco da inauguração da capital Belo Horizonte e das secretarias do Governo de Minas na época, que foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG, em 1977 e hoje integra o Circuito Liberdade, principal pólo cultural e turístico de Belo Horizonte. O prédio exibe detalhes arquitetônicos neoclássicos e art nouveau do século XIX, tendo sido totalmente restaurado entre 2008 e 2010, quando foram reveladas pinturas parietais históricas de Friedrich Anton Steckel, um dos principais pintores paisagistas do império e da república, reconhecido nacionalmente e de mérito inegável. A conservação e manutenção deste patrimônio material e todos seus componentes históricos (pisos, portas, portões, janelas, pinturas parietais, lustres, grades, telhados, etc.) é um compromisso da instituição mantido diariamente.

Foi entre 2008 a 2010, que aconteceram a elaboração e a execução das obras do projeto arquitetônico e do projeto expográfico, sendo o projeto arquitetônico para a nova finalidade do Prédio Rosa, que já foi Secretaria do Interior e da Educação, de autoria do consagrado arquiteto Paulo Mendes da Rocha e a expografia, que usa a tecnologia como aliada da memória e da experiência, de autoria do curador Marcello Dantas. O resultado desta parceria é um museu de ciência e tecnologia que apresenta, de forma lúdica e interativa, por meio de personagens históricos e fictícios, a história da mineração e da metalurgia, com destaque para os minérios, os minerais e a diversidade do universo da Geociências.

O Museu das Minas e do Metal abriga ainda um importante patrimônio geológico do país, oriundo do extinto museu municipal “Museu de Mineralogia Professor Djalma Guimarães”, com cerca de 4 mil amostras minerais, além de duas coleções particulares, de dois renomados e já falecidos colecionadores, Manfredo Kayser e Luiz Menezes, com cerca de 1,5 mil amostras minerais brasileiras. O “Museu de Mineralogia Professor Djalma Guimarães” existiu de 1974 até 2009, seu acervo pertence à Prefeitura de Belo Horizonte, que cedeu sua guarda para a Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais que, por sua vez, cedeu a mesma para a Associação Mantenedora do Museu das Minas e do Metal (AMMMM), hoje responsável por sua guarda, manutenção e preservação.

O Museu das Minas e do Metal é uma ponte do tempo profundo do interior da Terra para a eternidade histórica da cultura brasileira, que assumiu o papel de ser uma janela aberta ao tempo – passado, presente e futuro – e convida seu público a entender a relação humana com o meio que a cerca. É por meio dessa conexão que compreendemos que o universo mineral nos fornece informações sobre o passado do nosso planeta, e os metais, com seus usos e aplicações, nos levam a prospectar o futuro e a evolução das tecnologias humanas.

Com a missão de instigar a valorização dos patrimônios geológico e cultural, bem como a produção do conhecimento científico, a partir do universo dos minerais, por meio de atividades educativas, culturais e científicas, que promovam conexões entre pessoas, tempos e saberes, de forma inclusiva, o Museu das Minas e do Metal tornou-se referência em geociências e está entre os mais importantes museus de ciência e tecnologia do Brasil, sendo reconhecido nacional e internacionalmente como um espaço cultural de ciência e pesquisa, em diálogo permanente com a sociedade.

Márcia Regina C. S. Guimarães
Gestora do Museu e Diretora Executiva da AMMMM
Belo Horizonte, 29 de outubro de 2021.

O MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal é patrocinado pela Gerdau, via Lei Federal de Incentivo, com apoio da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM).

A Gerdau

A Gerdau é a maior empresa brasileira produtora de aço e uma das principais fornecedoras de aços longos nas Américas e de aços especiais no mundo. No Brasil, também produz aços planos, além de minério de ferro para consumo próprio. Em janeiro de 2021, completou 120 anos de uma história de solidez, contribuição para o desenvolvimento e legado para uma sociedade em evolução constante. Com o propósito de empoderar pessoas que constroem o futuro, a companhia está presente em 10 países e conta com mais de 30 mil colaboradores diretos e indiretos em todas as suas operações. Maior recicladora da América Latina, a Gerdau tem na sucata uma importante matéria-prima: 73% do aço que produz é feito a partir desse material. Todo ano, são 11 milhões de toneladas de sucata que são transformadas em diversos produtos de aço. As ações da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (B3), Nova Iorque (NYSE) e Madri (Latibex).

A Gerdau possui forte presença em Minas Gerais, onde possui quatro usinas siderúrgicas (Barão de Cocais, Divinópolis, Ouro Branco e Sete Lagoas), unidades de Mineração (Miguel Burnier e Itabirito), além da unidade Florestal, com sede em Três Marias. A Companhia possui, ainda, unidades da Comercial Gerdau em várias cidades mineiras. Dessa forma, a Gerdau conta com 11 mil colaboradores diretos e indiretos e busca contribuir continuamente para o desenvolvimento sustentável do estado, por meio de iniciativas e projetos voltados à educação, mobilização social e preservação do patrimônio histórico-cultural. O MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, mantido pela Empresa, é um exemplo disso: aberto ao público, o equipamento cultural proporciona aos visitantes uma viagem ao universo do metal e dos minerais, que demonstram também toda a riqueza abrigada em nosso estado. Conheça mais sobre a Gerdau na exposição “Espaço do Aço”.

No “Espaço do Aço”, o público pode entender a importância desse metal, suas curiosidades, potencial de inovação e seu papel na economia circular. De forma interativa e moderna, os visitantes compreendem melhor a importância do aço na vida das pessoas e conhecem invenções e processos criativos que mudaram nossa vida. O Espaço do Aço foi criado em parceria e com incentivo da Gerdau e Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM).

Saiba mais sobre a Gerdau